A Goela de Balagos

Ainda bem que meu sangue calishita não me falha, porque Cuiabá está tentando bater algum recorde.

Bem, hoje é um dia importante. É o dia da defesa da Flavinha, que se esforçou tanto. Eu, como revisor de monografia, posso afirmar que ela se preparou muito bem. Tenho plena confiança de que ela vai arrebentar. Pena que não deu para eu ir lá… fique preso com alguns assuntos pessoais e perdi a hora… mas boa sorte, Flávia, e arrebenta lá!

Ufa, cheguei em casa, conferi os downloads e mensagens… li um pouco, estou relendo A Jóia do Halfling, último livro da trilogia do Vale do Vento Gélido. É uma das mais agradáveis leituras da minha biblioteca, e a segunda trilogia dos Reinos que li. A Primeira foi a do Tempo das Perturbações. Mas o Bob Salvatore conseguiu me fisgar pra Faerûn com muito mais eficácia do que as peripécias do Tempo das Perturbações. Falando em livro, terminei ontem o Eldest, do Paolini. Continuação do Eragon, e livro do meio de mais uma trilogia, neste caso a Trilogia da Herança. Eldest é frustrante em vários pontos. 631 páginas. Delas, as primeiras 620 são divididas entre as aventuras de Roran, primo de Eragon, sendo perseguido pelo Império, e o treinamento de Eragon pelos elfos. Portanto, temos uma média de 310 páginas mostrando como o jovem cavaleiro se tornou mais versado em magia, mais sábio e poderoso. Como, depois de ser modificado pelos dragões, ele se equiparou fisicamente aos elfos – na verdade, ele superou fisicamente os elfos que enfrentou.

Tudo isso para, nas 20 páginas de guerra finais, vermos ele ser derrotado como uma mosca manca magruicela, por um antagonista já conhecido que, em um espaço de tempo infinitamente menor, se tornou não só um cavaleiro, como um cavaleiro dragão supersaya-jin. Sem explicação, nem justificativa, nem nada. Só aquele velho e manjado papo de “Galbatorix é um mestre nas artes negras, e me instruiu!”. Artes negras o cacete! Se a magia é negra, acende a luz, porra! Fiquei realmente irritado.

Frustrante é o mínimo que posso dizer. Sem falar nos momentos antológicos com Arya, a princesa élfica e suas falas destruidoras de verossimilhança: “OK, podem entrar na floresta!”, ou “…eles caíam como garrafas de boliche…” me deram dor de barriga.

Mas é isso. No mais, tá na hora de por ordem na minha papelada solta na escrivaninha.

See ya!

Ouvindo:

Jennifer Love Hewitt – Love will show you everything (Antes que Termine o Dia OST)

Sim, Goela de Balagos É apropriado! ^^

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s